ARQKHITEKTÔN ARCHITECTUS ARQUITETURA?

ARQKHITEKTÔN ARCHITECTUS ARQUITETURA?
Divagações!

ARQKHITEKTÔN ARCHITECTUS ARQUITETURA?

Tá vamos lá!

O que é arquitetura? Como ela te afeta? Como classifico, identifico?

Se você pretende encontrar uma resposta exata já pode dar meia volta. Simplesmente não existe! Bem essa é a visão. Conceito certinho, quadrado, delimitado? Nanannn…

Mas se continuou até aqui é porque busca mais! O que posso afirmar é que a arquitetura é aquele tipo de coisa que você não tem muita opção em escolher conviver ou não. Você SEMPRE vai estar na presença dela.

Você pode até tentar se enganar “ah isso não me afeta” , “não ligo pra isso”ou “isso é fútil”. Tudo bem ela suporta! não é a primeira vez que a queridinha – algumas vezes arte outras ciência- sofre esse desprezo.

A arquitetura sempre estará presente na sua vida. Independente da sua escolha. É como respirar: você pode fingir que não vê. Como inconscientemente nos conectamos àquilo que possui algo de nós, algum valor semelhante – acontece com as coisas, as pessoas, os lugares- nos conectamos com cidades e edificações. Mas como assim cidades? Olha, eu acredito que a arquitetura existe em diversas escalas (muito louco começar a pensar assim!) então tudo está conectado.

Acompanhe o pensamento comigo! Vá se imaginando nesse zoom in mental!

Planeta Terra – Europa – França – Paris – Champ de Mars – Torre Eiffel – Jules Verne (o restaurante) – O salão de refeições – A mesa – A toalha – Os talheres – A comida!

 

Conseguem perceber como tudo está conectado? Por isso não venham com frescura das velhas rixas : engenheiro ✗ arquiteto ou arquiteto ✗ designer de interior. Aceite: cada um tem o seu papel e todos são necessários!

Mas Bela como assim até a comida é arquitetura? Agora preciso da sua boa vontade em abstrair hein! Bem a comida pra ser preparada não precisa ser pensada? Os ingredientes precisam ser escolhidos e harmonizados, os processos precisam ser testados e logicamente precisa estar BELO! Mas não basta beleza! Precisa agradar ao paladar!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Calma, respira,
segura o piripaque aí, aceite: não estamos falando daquele nosso bifinho sem graça de todo dia com uma colher de arroz e uma rodela de tomate não viu! Esqueceu que a dois minutos atrás você estava em Paris em um restaurante francês chiquéeerimo na Tour Eiffel?
Sim aquela refeição C-O-M C-E-R-T-E-Z-A é arquitetônica!Se eu já te expliquei como até a comida pode estar envolta por arquitetura o resto é fácil né

Continue comigo!

Pare e pense rápido : ARQUITETURA!

O que veio a sua cabeça? #comcerteza uma construção! Uma casa, um edifício, quem sabe até mesmo seu próprio apartamento.

Acredito que isso aconteça porque a arquitetura está intimamente ligada a uma das nossas necessidades mais primitivas: o habitar.

Compreendemos que a arquitetura nasceu essencialmente como uma forma de prover abrigo, de possibilitar o habitar. Assim sem nos aprofundarmos muito em teorias sobre o que é ou deixa de ser arquitetura, basta você aceitar que a sua casa, um restaurante, uma loja, um aeroporto ou um supermercado lhe provem abrigo -mesmo que temporário?

Mas basta ser abrigo pra ser arquitetura? Cavei um buraco na terra então fiz arquitetura?

Lembra do Castelo Rá-tim-bum: “senta que lá vem a história”?

Pois é esses debates são eternos! Os n estilos que já existiram, coexistem hoje, se condenaram, se uniram… O barroco bate no peito e diz “eu sou arquitetura” mas o classicismo não quer saber e logo grita fino “eu sou arquitetura” e a história continua. Aqui vamos então nos basear em uma teoria pra não ficarmos no achismo, ok?

Segundo a teoria vitruviana – a arquitetura acontece APENAS quando estética, funcionalidade e estrutura se unem. (essa teoria se encaixa na comida do Vernes descrita acima em haha)

 

Vitruvius, em seu tratado “De Architectura”, diz que uma construção – aeroporto por exemplo – que fica em pé, funciona, mas é feio não é arquitetura (nunca nesse mundo vi aeroporto feio #magina). Tá é feio, mas tá lá construidinho, operando… é arquitetura? Você decide!

Mas vale arquitetura da natureza?

Pegue a mala Vamos para o México agora!

 

Genteeeee mergulhei em umas cavernas… assim… não tem como descrever.

Isso são: CENOTES!

São cavernas alagadas – da um google aí porque tenho certeza que você quer saber mais sobre!- belíssimas. Estão em pé e cumprem a função delas (google!).

 

 

 

São arquitetura?

Alguns ainda consideram que pra ter o broche do “sou arquitetura” não pode ser natural. Precisa sofrer intervenção humana pra a criação desse abrigo.

Vou abusar da sua abstração novamente ok?

 

Consegue perceber que mesmo um jardim é um abrigo? Afinal é um ambiente que sofreu intervenção pra lhe causar sensações de abrigo. Alguém deseja ter um jardim feio? Desconfortável? Com plantas que lhe ameaçam a vida? (conscientemente não né minha gente haha ) Não! Queremos que seja belo, agradável, confortável e inspirador!

So you got it! A arquitetura em seu conceito mais primário atende a uma demanda essencial da vida: prover você de abrigo físico, psicológico e emocional. De preferência que seja pautada nos três pilares citados anteriormente. Porque sim, você pode ter algo belo, que fica em pé, porém não funcional. Imagine: uma casa PER-FEI-TA, mas lhe faltando o teto. Assim como você pode ter uma casa que fica em pé, funciona mas é feia… Vai servir? Vai. Mas apenas esteja consciente de que o ambiente no qual está inserido nos afeta sem nossa permissão.

“Significa que somos inconvenientemente vulneráveis à cor dos nossos papéis de parede e que o nosso bom senso pode ser descarrilhado por uma colcha de cama desastrosa. Ao mesmo tempo, significa reconhecer que os prédios não são capazes de solucionar mais do que uma fracão de nossas insatisfações ou de impedir o mal de se manifestar diante do seu olhar atento.”
Alain de Botton

 

Mas o que o título tem a ver com todo o texto?
Hummmm danadinho! Não se perdeu em!
Não poderíamos terminar esse super mega post sem falar da origem da palavra: arquitetura!

Arquiteto vem do grego ARKHITEKTON: arkh vem de grande/principal, enquanto tektôn vem de construtor! Em bom português: mestre de obras! Ê laiá! Mas também existe a teoria de que arkh/arché seria compreendida como princípio ou seja o arquiteto seria o construtor ideal, fundamental, primordial. Preferem essa versão né? hahaha

Passando pelo latin virou ARCHITECTUS e ao chegar ao português ARQUITETURA!

Pra fechar com chave de ouro – já que você chegou aqui e leu com muito amor!- lembra de todo nosso papo lá em cima?
Compreende agora porque TUDO acaba sendo arquitetura? Porque o chef do Vernes é um arquiteto? Ele não é um construtor fundamental? Ahannn!Isso!

Espero que tenha gostado!

Ps1. Já fui à Paris, à Torre, mas confesso que ainda não tive o prazer de me sentar no Vernes!

Ps2. Os questionamentos são empíricos e pessoais – incluso livros. Não são baseados em dados estatísticos. Apenas aproveite pra pensar junto e viajar na batatinha.

 

Ficou com uma dúvida? Tem alguma sugestão? 

Entre em contato, quem sabe seu questionamento vira um post? 

Somos muito gratos pela sua participação!! Até a próxima!

Contato: contato@archei.com.br

 

GOSTOU? QUE TAL COMPARTILHAR COM UM AMIGO?

Ele vai adorar uma dica assim !

– originalmente escrito por Bela Tavares para aqrfelicidade.com –
Anúncios  |  Informação: Não há itens criados, adicione alguns, por favor.

Deixe uma resposta

Oi Posso lhe ajudar?